Em aula aberta, Ana Lira questiona como viver pode ser um ato político

Foto: Maria Chaves

Atividade compõe as Navegações Estéticas do Programa de Fotopoéticas do Porto

O Programa de Fotopoéticas do Porto Iracema das Artes lança um questionamento a partir do tema adotado pela Escola em 2019: “Poéticas da Existência: como viver pode ser um ato político?”. A atividade integra as Navegações Estéticas, módulo de abertura do percurso formativo, e trará a fotógrafa, artista visual e pesquisadora Ana Lira para ministrar aula aberta. Será na noite da próxima terça-feira, dia 26 de março, às 19h, no Auditório da Escola.

A atividade terá formato de conversa e propõe um diálogo sobre experiências cotidianas como produção artística e as escolhas políticas envolvidas por elas na construção de suas relações. A construção desse diálogo coletivo será permeada por revisão de processo feita pela própria Ana Lira, que olhará para o seu trabalho a partir de pilares como “viver é um ato político” e “as vivências como processos de mediação coletiva”.

Como complemento, o Navegações Estéticas também vai oferecer a oficina “Entre-Frestas”, do dia 26 a 29 de março, somente para os alunos selecionados no percurso de Fotopoéticas do Porto. Também ministrada por Ana Lira, o objetivo da atividade é colaborar na investigação de trajetórias criativas individuais e coletivas dos participantes por meio de vivências e discussões. A formação proporá uma reflexão sobre os circuitos de criação pensando o cotidiano como espaço de construção permanente.

Sobre Ana Lira

Fotógrafa, artista visual e pesquisadora, Ana Lira mora em Recife, Pernambuco, e é especialista em Teoria e Crítica de Cultura. Nos últimos anos, desenvolveu trabalhos independentes de pesquisa, curadoria e projetos educacionais articulados com projetos visuais. Também é pesquisadora em projetos audiovisuais – atualmente desenvolve pesquisa para o projeto Terrane, uma narrativa visual sobre as mulheres pedreiras do semiárido brasileiro, a partir da experiência da Casa da Mulher do Nordeste. A artista já participou de mais de sete coletivos durante duas décadas e é articuladora dos projetos educacionais Cidades Visuais, Entre-Frestas e Circuitos Possíveis, este último relacionado à elaboração de fotolivros e fotozines.

As suas experiências artísticas buscam discutir vivências políticas e ações coletivas como processos de mediação. Relações de poder e implicações nas dinâmicas de comunicação estão entre os seus principais interesses no desenvolvimento de projetos, que articulam narrativas visuais, material de imprensa, mídias impressas e publicações independentes.

Ana Lira recebeu o Prêmio Funarte Arte Contemporânea 2015 pela exposição Não-Dito, que foi apresentada no MABEU/CCBEU em Belém (2017) e no Capibaribe Centro da Imagem, em Recife (2015). É autora do livro Voto, publicado pela editora independente Pingado Prés, em 2014 (1ª ed.) e 2015 (2ª ed. – traduzida), que hoje integra o acervo da Pinacoteca de São Paulo e a coleção de fotolivros do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, no Museu da UFPA (Belém do Pará).

Sobre o Navegações Estéticas
Navegações Estéticas é o módulo de abertura dos percursos formativos do Porto Iracema das Artes. O projeto se propõe a um intenso ciclo de reflexões, diálogos e experimentações entre os alunos e artistas de carreiras renomadas nas áreas do audiovisual, artes cênicas e artes visuais, propiciando a partilha de experiências por meio de Master Classes (abertas ao público) e Oficinas (somente para alunos dos cursos). O Navegações Estéticas deste ano acontecerá de terça a sexta-feira da próxima semana, 26 a 29 de março.

SERVIÇO
O quê: Em aula aberta, Ana Lira questiona como viver pode ser um ato político
Quando: Terça-feira, 26 de março, às 19h
Onde: Auditório da Escola Porto Iracema das Artes (Rua Dragão do Mar, 160 – Praia de Iracema)
Gratuito

Assessoria de Comunicação Porto Iracema das Artes | Lucas Casemiro
Publicado em: 18/03/2019