Laboratório de Artes Visuais do Porto Iracema realiza aula aberta “Programa Ambiental Hélio Oiticica”

O Laboratório de Artes Visuais da escola Porto Iracema das Artes realiza na próxima terça-feira, 06 de novembro, a aula aberta “Programa Ambiental Hélio Oiticica”, que será ministrada pela crítica de arte, curadora independente, pesquisadora e tutora do projeto “Vegetocracia e a exuberância dos dias comuns”, do Laboratório de Artes Visuais do Porto. A atividade acontecerá às 19h, na sala A5 da Escola, com entrada gratuita e aberta ao público.

O encontro apresentará todas as ordens de trabalho que Hélio Oiticica formulou para o Programa Ambiental a partir de 1966: núcleo, bólide, parangolé, quase-cinema, entre muitos outros. Considerado um dos maiores artistas da história da arte contemporânea brasileira, Hélio Oiticica em sua proposta não há uma obra que se encerre em si mesma, como um quadro. Ele criou e teorizou sua própria arte, deixando-nos obras de artes e reflexões artísticas profundas que ainda fazem sentido na contemporaneidade. Embora ele pertença ao contexto moderno das décadas de 1960 e 1970, suas ideias ainda contribuem para o pensamento acerca da arte e seus espectadores/participadores.

Sobre Lisette Lagnado
Critica de arte, curadora independente, pesquisadora e escritora, formou-se em Jornalismo pela PUC-SP, onde também defendeu mestrado em Comunicação e Semiótica. Em 2003, obteve o título de doutora em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP). Nos anos 1980 e início da década de 1990, trabalhou nas revistas “Arte em São Paulo” e “Galeria”, e foi repórter de arte na “Folha de S. Paulo”. De 2001 a 2010, editou a revista eletrônica “Trópico”, que participou da “documenta 12 magazines” (Kassel, Alemanha). Em 1993, ganhou o Prêmio de Melhor Exposição do Ano da APCA com a curadoria de “A presença do ready-made”. No mesmo ano, fundou e coordenou o Projeto Leonilson, para organizar sua obra e documentos. Em 1996, integrou a equipe curatorial da mostra “Antarctica Artes com a Folha”, trabalho de prospecção de artistas emergentes no território nacional. Em 2006, foi curadora da 27ª Bienal de São Paulo (“Como Viver Junto”). Em 2010, foi curadora da exposição “Desvíos de la deriva”, no Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, em Madri. Em 2013, foi curadora do 33º Panorama do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Entre 1999 e 2002, concebeu e coordenou o trabalho de digitalização e catalogação dos manuscritos de Hélio Oiticica para o Itaú Cultural, instituição na qual também atuou no projeto Rumos Itaú Cultural (2005 e 2006). De 2007 a 2012, coordenou a pós-graduação em Práticas Curatoriais e Gestão Cultural da Faculdade Santa Marcelina, em São Paulo. Em seguida, levou parte deste programa de formação para a Escola São Paulo. É, desde agosto de 2014, diretora da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio de Janeiro. Compõe a equipe curatorial da 11ª Bienal de Berlim, que irá acontecer em 2020, juntamente com María Berríos, Renata Cervetto e Agustín Pérez Rubio .

Serviço
O quê: Aula aberta “Programar Ambiental Hélio Oitica”
Quando: 06 de novembro, às 19h
Onde: sala A5 do Porto Iracema das Artes (Rua Dragão do Mar, 160,Praia de Iracema)
Gratuito

 

 

 

Assessoria de Comunicação Porto Iracema das Artes | Eduardo Sousa

(Publicado em 05/11/2018)